terça-feira, 31 de março de 2009

METÁFORA DO DIA: PERSISTÊNCIA, MUDANÇA E HUMILDADE

Hoje de manhã, um pai de familia, grande amigo que conheço há 20 anos, falou comigo, por telefone. Ele estava desanimado por conta da situação em que vive a sua filha.
O caso: ela vive com um cara possessivo, ciumento e, claro, violento. Na última semana, quase foi morta pelo sujeito, mas. tão logo saiu do hospital, simplesmente, como fez tantas outras vezes, retirou a queixa da policia e voltou para casa com o seu agressor, que com certeza irá cometer outras e outras agressões. Ao tentar falar para ela o erro de sua escolha, a resposta era sempre de que "ela sabia o que estava fazendo". Esta resposta está baseada em crenças da igreja em que ela congrega, de que a mulher tem que se sujeitar ao marido, e suportar tudo porque "Deus uniu, e ninguém deve separar" (Como se Deus fosse assim, um tremendo sacana!).
Este meu amigo faz parte de um grupo de apoio, e já ajudou muita gente a sair do mundo das drogas, do álcool, e até fez muitas mulheres assumirem uma postura mais positiva diante da vida, consequentemente não aceitando mais abusos cometidos por maridos ou namorados. Com a filha, porém... nada estava funcionando.
Confesso que com casos como esse até eu, que acredito na mudança (seja do marido, seja da mulher, que precisa aprender a se valorizar), sou tomado pelo desânimo.
Passei ao amigo algumas palavras de incentivo, mas fiquei surpreso quando ele me disse que na verdade só queria desabafar, pois sabia de muitas técnicas para convencer a filha a sair do perigo que vivia, mas nenhuma havia funcionado. Tentei lhe passar novas idéias, mas tudo que ouvia de volta era: "Eu já sei disso, mas não adianta, eu desisto!". Ao perceber que eu mesmo estava tentando resolver o problema sempre do mesmo jeito, preferi dar uma parada. Me veio a idéia de dizer ao meu velho amigo que aguardasse, pois eu lhe faria uma nova ligação, com uma nova dica, quisesse ele ou não.
Porém, estava preocupado: não tinha a menor idéia de como poderia criar uma história que o convencesse a não desistir e, ao mesmo tempo, ajudar a filha a pensar um pouco diferente do que pensava.
Pouco depois de desligar o telefone, meio sonolento por causa de um remédio que estou tomando (estou com uma contratura na região da coluna), tirei uma soneca. Acordei abismado com um sonho que tive, em que uma pessoa muito querida, um padre que foi um grande mestre em minha vida e já faleceu, me contava uma parábola conhecida, sobre duas moscas que haviam caído num copo.

Eis a história, como me lembro:

"Contam que certa vez, duas moscas caíram num copo de leite. A primeira era forte e valente. Assim, logo ao cair, nadou até a borda do copo. Mas como a superfície era muito lisa e ela tinha suas asas molhadas, não conseguiu sair. Acreditando que não havia saída, a mosca desanimou, parou de nadar e se debater e afundou.

Sua companheira de infortúnio, apesar de não ser tão forte, era tenaz. Continuou a se debater, a se debater e a se debater por tanto tempo, que, aos poucos o leite ao seu redor, com toda aquela agitação, foi se transformando e formou um pequeno nódulo de manteiga, onde a mosca tenaz conseguiu com muito esforço subir e dali alçar vôo para algum lugar seguro.

Esta primeira parte da história até poderia parecer um elogio à persistência (embora isso seja mais INSISTÊNCIA que PERSISTÊNCIA), que, sem dúvida, é uma hábito que nos leva ao sucesso, no entanto...

Tempos depois, a mosca tenaz, por descuido ou acidente, novamente caiu no copo. Como já havia aprendido em sua experiência anterior, começou a se debater, na esperança de que, no devido tempo, se salvaria. Outra mosca, passando por ali e vendo a aflição da companheira de espécie, pousou na beira do copo e gritou: "Tem um canudo ali, nade até lá e suba por ele" A mosca tenaz não lhe deu ouvidos, baseando-se na sua experiência anterior de sucesso e, continuou a se debater e a se debater, até que, exausta, afundou no copo cheio de água.

Quantos de nós, baseados em experiências anteriores, deixamos de notar as mudanças de ambiente e ficamos nos esforçando para alcançar os resultados esperados, até que afundamos na própria falta de visão? Fazemos isso quando não conseguimos ouvir aquilo que quem está de fora da situação nos diz".


Foi então que entendi o que estava acontecendo: tinhamos as saidas, tinhamos as soluções, mas não sabíamos como fazer com que fôssemos ouvidos (tanto eu com meu amigo como ele com sua filha).
À tarde mesmo, liguei novamente para ele e lhe pedi que apenas ouvisse a história, e assim que tivesse uma chance a contasse a sua filha. Não sei qual foi a sua reação do outro lado, pois pedi que desligasse sem falar nada, e ele assim o fez.´
À noite, recebi esta mensagem no meu celular: "Toninho (é assim que ele me chama), fiz o que me pediu, e pela primeira vez senti que toquei de verdade a minha menina. Ela chorou e prometeu pensar melhor em tudo que nós, seus familiares, temos lhe dito. Desculpe-me pela falta de humildade inicial, e obrigado!".
Eu é que agradeço, amigo, pela oportunidade de também ser mais humilde.

MINHA QUERIDA ALMA, SEJA FONTE DE HUMILDADE E DE DISPOSIÇÃO PARA OUVIR E APRENDER SEMPRE MAIS"

segunda-feira, 30 de março de 2009

LIMPE A SUA MENTE DA NEGATIVIDADE DIÁRIA

Essa eu achei no Youtube! Um exercício de 7 minutos que “limpa” a negatividade do dia-a-dia!

Imagine se você puder limpar, reciclar e reprogramar a sua mente. substituindo as imagens impressas do nosso violento dia-a-dia atual por imagens que desencadeiam bons sentimentos, paz, relaxamento e bem estar.

Pois esta maneira existe, e está baseada numa novidade, a neuroacústica.

Você já deve saber que nossa mente é como um computador. Armazena, organiza dados, utiliza o que é necessário e, claro, pode também ser limpo dos arquivos inúteis. Pois bem, existe um exercício que tem o objetivo de trazer de volta à nossa imaginação imagens onde a natureza exibe com força toda a sua beleza, suavidade, esperança, luz, amor, trazendo a todos nós paz e calma, abrindo no imaginário de cada um encantadoras possibilidades de criar um mundo original e novo. Isso tudo quer dizer: Cura!

São belissimas imagens, acompanhadas de uma bela música e batidas em ciclos que ajudam a cadenciar as batidas do seu coração, a acalmar os pensamentos.

Valha-se deste exercício sempre que sentir que pensamentos repetitivos negativos ocorrem em sua mente e deixe-se levar pelo som e pelas imagens pelo menos uma vez por dia. Preferencialmente, faça-o pouco antes de se deitar.
Isto pode ser extremamente útil se você tiver sido ‘impactado’ por cenas estressantes, depois de assistir aos jornais da televisão, os programas com cenas de agressão e violência, a filmes com cenas que desrespeitem a ordem natural da beleza, da bondade e do amor.

Para que o exercício tenha total efeito sobre você, é preciso algumas atitudes simples, alguns gestos que ajudam na fixação do tema.

Faça desta maneira.
Coloque sua intenção nesta visualização. Utilize um fone de ouvido para que o som atue de forma eficiente.

• Sente-se confortavelmente, respire algumas vezes para se sentir relaxado e depois faça o seguinte quando o som começar:
1. Pisque os olhos, seis vezes, a cada imagem ou bata gentilmente suas mãos sobre suas pernas enquanto assiste as imagens.
2. Visualize estas imagens quantas vezes quiser por dia. Quanto mais, melhor.
3. Faça conexões entre as imagens e seus sentimentos e/ou desejos pessoais. Por exemplo: ao visualizar uma rosa imagine-se colocando esta rosa no coração de quem você ama muito... ou de quem precisa pedir perdão ou mesmo perdoar.
4. Se possível, utilize este recurso antes de dormir. Propositalmente como se fosse este seu último gesto do dia.
5. Não se esqueça que usar o fone de ouvido. Isso torna o resultado ainda mais efetivo.

Um dica legal para o seu dia: Num momento de aflição ou quando uma imagem forte e destrutiva atingir você durante o dia (uma notícia de TV, um acontecimento que impactou), imagine que a imagem negativa está sendo retirada da sua mente pelo lado esquerdo e puxe pelo lado direito uma das imagens que assistiu na tela. Funciona de maneira automática!
Você pode até achar complicado fazer isso nos primeiros dias, mas tudo é uma questão de treino. Chegará o momento em que naturalmente você fará a substituição, sem sequer pensar como fez isso.

O exercício segue no vídeo abaixo.


METÁFORA DO DIA: LIMPANDO OS ARMÁRIOS DE NOSSAS VIDAS

Texto de Wilson Meiler

Todos os anos, há um momento em que olhamos nossos armários com um olhar crítico. Olhamos aquelas roupas que não usamos há tanto tempo. Aquelas que tiramos do cabide de vez em quando, vestimos, olhamos no espelho, confirmamos mais uma vez que não gostamos e guardamos de volta no armário.
Aquele sapato que machuca os pés, mas insistimos em mantê-lo guardado. Há ainda aquele terno caro, mas que o paletó não cai bem, ou o vestido "espetacular" ganho de presente de alguém que amamos, mas que não combina conosco e nunca usamos. Às vezes tiramos alguma coisa e damos para alguém, mas a maior parte fica lá, guardada sabe-se lá porquê.
Um dia alguém me disse: tudo o que não lhe serve mais e você mantém guardado, só lhe traz energias negativas. Livre-se de tudo o que não usa e verá como lhe fará bem.
Acontece que nosso guarda-roupa não é o único lugar da vida onde guardamos coisas que não nos servem mais. Você tem um guarda-roupa desses no interior da mente. Dê uma olhada séria no que anda guardando lá.
Experimente esvaziar e fazer uma limpeza naquilo que não lhe serve mais. Jogue fora idéias, crenças, maneiras de viver ou experiências que não lhe acrescentam nada e lhe roubam energia. Faça uma limpeza nas amizades, aqueles amigos cujos interesses não têm mais nada a ver com os seus.
Aproveite e tire de seu "armário" aquelas pessoas negativas, tóxicas, sem entusiasmo, que tentam lhe arrastar para o fundo dos seus próprios poços de tristezas, ressentimentos, mágoas e sofrimento. A insegurança dessas pessoas faz com que busquem outras para lhes fazer companhia, e lá vai você junto com elas.
Junte-se a pessoas entusiasmadas que o apóiem em seus sonhos e projetos pessoais e profissionais. Não espere um momento certo, ou mesmo o final do ano, para fazer essa "faxina interior". Comece agora e experimente aquele sentimento gostoso de liberdade.
Liberdade de não ter de guardar o que não lhe serve. Liberdade de experimentar o desapego. Liberdade de saber que mudou, mudou para melhor, e que só usa as coisas que verdadeiramente lhe servem e fazem bem.

"Minha querida alma, negatidades que vivi e recebi em minha vida, Acabaram"!
"Minha querida alma, seja fonte de total desapego do passado"

domingo, 29 de março de 2009

METÁFORA DO DIA: ÉTICA E VERDADE

Certo dia, a Ética pediu a Odin para fazer uma visita à terra. Autorizada, ela desceu do Olimpo sob a forma de uma linda mulher e dirigiu-se a um reino poderoso. Todos, ao vê-la a distância, ficavam maravilhados, mas, acontecia algo estranho: à medida que se aproximava, os mesmos que lhe sorriam fechavam-lhe as portas.
Tentou falar com várias pessoas, entre elas vários profissionais de renome, entre médicos, advogados, autoridades em geral. Tentou com os políticos, e aí foi pior ainda.
A Ética tentava comunicar-se, mas em vão: ninguém queria defrontar-se com ela. Bastava a todos que ela fosse vista de longe, e apenas de longe.
A Ética se cansou. Não queria mais viver na terra, pensava em ir embora. Acabrunhada, resolveu esoncer-se num canto, mas ao retirar-se, encontrou a Verdade, que se espantou com a sua profunda tristeza:
- Que foi, minha irmã? O que tanto a magoou?
- Cheguei em missão de paz, mas ninguém quis receber-me – disse a Ética, não entendendo as razões porque foi rejeitada.
-Olhe-me de frente! – disse a Verdade.
Mas a ética estava tão triste que nem conseguia erguer a cabeça.
Já um pouco irritada, a Verdade então explicou: - Ninguém, nem mesmo você, minha cara Ética, foi capaz de perceber: eu e você somos espelhos! As pessoas têm medo de nos terem perto, de nos encarar apenas por isso: Têm um profundo pavor de se verem refletidas. Não precisamos falar. Basta que os que nos procuram se vejam.
E então, leitor: Você se vê?

quarta-feira, 25 de março de 2009

CURA DO CÂNCER COM BABOSA

A pedidos de pessoas que me acompanham em trabalhos com doentes de câncer, resolvi, hoje, postar essa dica interessantíssima, em especial para o que precisam de uma alternativa para o tratamento desta doença ainda tão assustadora para tanta gente.
Em minhas experiências e aprendizado com a ATPP (Abordagem, transformação e programação do pré-consciente), uma das grandes descobertas que tive foi o do uso da babosa como um importante aliado no tratamento do câncer.
Por isso fiquei muito feliz em ver, em uma das noticias publicadas no Dzai, uma entrevista com o Frei Romano Zago (OPM), um franciscano que desenvolveu uma receita para a cura completa do câncer e a levou inclusive para a Terra Santa. Tomei a liberdade de copiar a receita e publicá-la aqui, e por um motivo muito simples: assim como o Frei, que se tornou um de meus ídolos, não sou favorável à prática de que grandes descobertas, principalmente as que nos são fornecidas pela sabedoria popular e pela natureza maravilhosa que temos em nosso Brasil, devam ser vendidas. Elas devem, sim, ser doadas a quem precisa.
Sinceramente, estou cansado de ver propagandas de cursos e remédios do tipo: "Sua vida pode mudar para sempre", "A cura definitiva desta ou daquela doença", ou ainda "Vamos fazer um mundo melhor", seguida da informação: "investimento: R$........,......" (e não estou falando de ajuda de custo ou cobertura de despesas, mas preço mesmo!).
Ora! Se a idéia é promover um mundo melhor, mais justo, sem doenças e livre das desigualdades, pra que insistir em oferecer as técnicas apenas a quem pode pagar por elas? O que isso vai mudar, a não ser o fato de que quem tem vai ter ainda mais?
Se alguém pode colaborar, que seja por gratidão, e não para ter acesso.
São pessoas como Frei Romano as que mostram, realmente, que querem uma transformação real em nossa forma de pensar e em nossa maneira de viver!

A receita
O frade dispõe apenas de um liqüidificador para produzir o remédio contra o câncer, quando lhe pedem. As folhas de babosa, que ele conhece como medicinais, são colhidas do barranco da estrada e em qualquer lugar onde se encontra matéria prima. Outro ingrediente é o mel puro, ao lado de pequena quantidade de álcool. Na entrevista, ele diz algo interessante quando lhe perguntam se ele cura o câncer: "Eu curo, tu curas, qualquer pessoa cura, desde que deseje fazê-lo. Quero dizer, curar câncer não significa realizar milagre. Toda pessoa que tiver boa vontade e aplicar a fórmula, pode curar o câncer sem problemas".
Segundo o padre, a cura encontra-se à disposição, na mãe-natureza, ao alcance de quem quer que seja. Portanto, não se trata de alguma força especial, privilégio de alguém bem dotado.
A força está,na verdade, na própria natureza. Basta saber usá-la. Se bem direcionada, ela faz aquilo para o que foi criada obedientemente.
Quanto a guardar a fórmula em segredo, ele imediatamente descarta: "Muito pelo contrário. Gostaria de ter meios de comunicação ao alcance e divulgar tanto esta fórmula para que todo mundo pudesse aplicá-la sempre que ouvesse necessidade. Tão verdade é o que afirmo que as pessoas de minhas relações, conhecidos e parentes, com as quais vivo, conheceram a fórmula e a passam adiante. Muitas dessas pessoas, às voltas com o problema, arriscaram aplicar a citada fórmula e foram felizes em seus intentos, isto é, lograram êxito em curar seu semelhante tomado pela doença.

Pois bem! Aqui está mais um meio de comunicação, padre, e um dos mais abrangentes deles: a Internet.

E aqui está a receita:

• Meio quilo de mel de abelha (mel puro).
• Duas folhas (se grandes) ou três (se pequenas) de babosa (Aloe Vera)
• Três a quatro colheres de araq ou uísque ou conhaque ou cachaça ou tequila ou grapa (álcool, bebida destilada em suma).
- Tudo vai para o liqüidificador, tendo-se apenas o cuidado de remover o pó de cima das folhas e cortar os espinhos bem de leve. Bater bem no liqüidificador e obtém-se uma espécie de creme.
- Está pronto o remédio para curar câncer.

Como se toma o remédio? Quando? Quanto?
Toma-se uma colher das de sopa sempre antes das refeições, uma de manhã, outra de meio-dia e a terceira à noite. Uns 15 minutos antes das refeições é o suficiente.
É bom observar um largo espaço de tempo antes de ingerir o remédio sem ter comido algo. Em jejum, as pepsinas do organismo estarão ávidas para entrar em ação e levar o remédio até os extremos confins do corpo.
A fórmula apresenta esta dosagem suficiente para dez dias, segundo o regulamento. Se passar algum dia e não houver terminado o remédio, pode completar o conteúdo do frasco. Se a pessoa doente ficar curada, ótimo. Parabéns!
Pode acontecer, porém, que a doença não tenha sido vencida de todo. Neste caso é necessário submeter o paciente a nova bateria de exames. Fazendo-se necessidade ou não de providenciar-se nova dose.
Enquanto não for obtida a cura definitiva, façam-se tantas aplicações quantas forem necessárias. Você vai alcançar o objetivo final, basta perseverar...

Um detalhe importante: antes de servir-se do remédio, agitar bem o frasco.
Este remédio, segundo Frei Romano, cura qualquer tipo de câncer, inclusive Leucemia, e também previne contra a doença.
A explicação é muito simples. O remédio realiza uma verdadeira varredura até o ponto extremo do organismo, limpando o sangue. É por isso que ele é também preventivo. Com o sangue limpo, tudo corre bem. Mais ou menos como no automóvel: se usamos combustível de boa qualidade, o motor de seu carro terá vida mais longa, sem lhe causar maiores dores de cabeça. Se arriscar combustível de Segunda classe, tudo poderá acontecer... Não vou citar aqui os inúmeros casos de cura elencados pelo frade na entrevista, mesmo porque nem é preciso, dado o ganho maior que é o tratamento para essa doença tão carregada de tristeza para qualquer pessoa.
Em tempo: não fique apenas na leitura ou no uso pessoal (se for o seu caso). Divulgue a idéia, porque vale a pena!

terça-feira, 24 de março de 2009

MANTENHA O EQUILIBRIO OU ENTÃO... SOFRIMENTO NA CERTA!

Estou passando por um momento que, na teoria, não deveria estar enfrentando. O excesso de trabalho, de responsabilidades e o grande número de metas definidas sem uma avaliação mais detalhada me levaram, como não poderia deixar de ser, a sérios problemas na coluna.
O corpo fala! E quando você lhe falta com respeito, ele grita!
Assim como eu, há outros com o mesmo problema. Ou mesmo com dificuldades no amor, na familia, no seu grupo... Talvez até você, que lê estas linhas, esteja, neste momento, com alguma dificuldade relacionada ao corpo, à namorada ou namorado, ao cônjuge, à escola, ao trabalho.
Sua casa está bagunçada? O quintal está tomado pelo mato? Seu material de trabalho está acondicionado de um jeito que mais dificulta que facilita encontrá-lo?
Isso significa que está faltando a você, neste momento, o cumprimento de um príncípio básico à sua sobrevivência emocional e física: O principio do Equilibrio.
Imagine uma mesa com vários componentes de uma só empresa. Você é o lider. Se algum dos membros não for atendido em suas reivindicações, ou houver exagero nas determinações dadas a um outro, haverá um desequilibrio. Isso se aplica ao conceito da PNL de “partes”: Se uma parte sua está sobrecarregada ou não é atendida em seus anseios, a coisa vai ficar feia para o seu lado.
Também servem como exemplo ter várias matérias para estudar e deixar alguma de lado (vai fazer falta no concurso público), dar mais atenção a um filho ou filha que a outro(a), Atender a convites de um amigo mas sempre recusar de outros...
Trazendo para nós como um todo: Como ser humano, somos formados por corpo, mente e espírito. Se você se dedicar muito ao corpo e ao espírito, esquecendo a mente, será forte, integrado e irá se dedicar a outras pessoas, mas com poucos conhecimentos e outros recursos racionais. Nossa vida precisa principalmente de alimento, de ar, água e prazer, dentre outros (sem algum destes elementos sempre vai haver desequilibrio). E o que dizer da busca louca pelo dinheiro, do abrir mão das coisas boas da vida para primeiro alcançar o "sucesso profissional" ou "comprar aquele carro" do ano... A Crise que atinge os Estados Unidos com maior intensidade surgiu exatamente pelo excessivo valor ao Poder do Consumo e do Capital. Quem acreditava apenas na grana que ganhava se deu mal, muito mal.
No corpo, se fizermos exercícios só com um braço ou com uma perna, vamos ficar disformes. Um dia, pagaremos por isso com dores pelo corpo ou algum outro problema.
Quanto à mente, se nos ligarmos mais ao passado que em outras fases, o presente e o futuro, não temos equilibrio e nem podemos planejar nada. Se é o contrário, podemos sempre cometer os mesmos erros.
Temos também os que agem apenas pela emoção, sem pensar (e depois se arrependem). Ou ainda os que são tão cerebrais, tão frios que, quando sentem algo forte por alguém não sabem o que fazer e sofrem de amor não correspondido.
O desequilíbrio, como dá pra notar, pode ocorrer em todos os níveis, do mais genérico ao mais específico, e portanto é necessário que saibamos lidar com eles, e isso não é complicado, ou pelo menos não precisa ser.
Busquei as informações abaixo com o grande Mestre Virgilio Vasconcelos. Vale a pena dar uma conferida:

Observando o Princípio do Equilíbrio

"Como se faz para observar o Princípio do Equilíbrio? A base disso é simples: identificar as áreas de sua vida, verificar quais estão equilibradas e quais estão desequilibradas, para estas definindo objetivos e ações. Se forem várias, cabe também uma priorização: mais importantes primeiro.
No nível pessoal, isto pode incluir uma atividade física, um curso ou treinamento de vez em quando e 10 minutos de meditação, por exemplo. No nível de relacionamento em geral, pode significar cuidar melhor de alguém ou tomar a iniciativa de fazer um contato. Na área familiar, pode ser uma simples decisão de estar com alguém por alguns minutos. As ações que mantém o equilíbrio podem ser muito simples. Alguns contextos, como o de tomada de decisão, podem requerer auto-conhecimento e auto-exploração, antes da elaboração (e devida prática) de alternativas.
O equilíbrio muitas vezes resulta do cultivo e prática de certos valores, como coooperação, perdão e até hábitos perceptivos. Na etiqueta chinesa, conforme me foi apresentada, há uma tradição de cada um manter a xícara do outro cheia de chá. Isto faz com que as pessoas, além de praticar o cuidar, também treinem o hábito de olhar de vez em quando para o ambiente e para o outro, ao invés de manter a atenção exclusivamente em si: "Ai, que fome!"
Você já deve ter notado que o Princípio do Equilíbrio abrange múltiplas dimensões da nossa existência, e portanto não pode ser ignorado. Ignore-o e alguém vai acabar sofrendo, seja você ou alguém próximo a você. Deve ser por isso que recebemos um ensinamento que tem o equilíbrio como eixo: "Amai ao próximo como a ti mesmo"."


Contextos de aplicação

A seguir, uma lista de sistemas e situações em que você pode aplicar o Princípio do Equilíbrio, incluindo as já mencionadas.

Pessoal

- Corpo, mente, espírito
- Aparência e conteúdo
- Físico, racional e emocional
- Cabeça, tronco, membros
- Passado (lembranças), presente (sensações, emoções) e futuro (planos)
- Nutrição (alimentos, ar, prazer)
- Alimentação (proteínas, carboidratos, etc.)
- Avaliação de qualidades e defeitos

Escola

- Dedicação às disciplinas (aluno ou professor)
- Participação em grupos de trabalho

Familiar

- Pais em relação a cada filho
- Trabalho, família, si mesmo
- Marido, esposa e filhos
- Dedicação à casa e ao prédio ou condomínio

Trabalho

- Liderança: Pessoas, Objetivos, Recursos
- Produção, capacitação, descanso
- Reuniões: oportunidades de fala; informação, deliberação e decisão
- Relacionamento com chefes, colegas e outras pessoas
- Necessidades pessoais e do trabalho

Social

- Cuidados pessoais, com os outros e com o ambiente
- Contribuição para o bairro, a cidade, o país

Outros

- Para um site, equilíbrio na dedicação ao design, à estrutura, ao conteúdo, à divulgação, interatividade e outros aspectos.
- Correio eletrônico e computador em geral: uso, atualização, manutenção (Ah, aquelas 300 mensagens na caixa de saída...)
- Veículos: uso, manutenção, prevenção
- Cozinha: tempero na dose certa!

Um exemplo simples dado por Virgílio Vasconcelos

Uma senhora foi visitar parentes com um recém-nascido. Ao entrar na casa, estavam os pais, o bebê e a filha mais velha, de 4 anos. A senhora cumprimentou os pais e, ignorando o bebê no colo da mãe, foi saudar a menina, para só então dedicar sua atenção ao bebê. Em uma situação de desequilíbrio "natural", em que todas as atenções se voltam para o novo, essa senhora foi capaz de preservar o equilíbrio em relação à menina, e este foi um comportamento de grande sabedoria. Quem quer um pouco mais de sabedoria e seus benefícios deve ter, com certeza, como parte do seu cotidiano, a intenção da busca por aquele pouco mais de equilíbrio, em cada momento e em cada dimensão importante da vida.

COMO LIDAR COM MAL-HUMORADOS

De fato, encontramos no dia a dia um bocado de desafios no que tange a relacionamentos. Como já citei em outro post, há vários tipos de pessoas diferentes, e que exigem de nós jeitos distintos de tratá-las. Não se trata de se adequar a elas ou jogar os seus jogos, mas compreendê-las e dar as respostas de acordo com a sua originalidade.
Sem dúvida, o tipo mais difícil de se lidar é com o mal-humorado, o irritadiço. Esta pessoa não consegue, ao que parece, passar um só dia sem ofender alguém, sem xingar, sem mostrar a sua raiva. Nada está bom, e sempre há o que reclamar.
É o típico cara zangado, para quem você diz “Bom dia!” e ele responde “Pra quem? Só ser for pra você!”.
Estes tipos geralmente nos intimidam, nos levam a pensar melhor antes de puxar conversa e, muitas vezes, promovem o afastamento das pessoas. Talvez seja este mesmo o seu objetivo, baseado no fato que a maioria dos mal-humorados, na verdade, estão é se defendendo de novos relacionamentos, têm medo do contato íntimo, não sabem como lidar com as pessoas à sua volta.
O que ele quer mesmo é exatamento o oposto, mas como não sabe como fazer isso, tenta pelo menos enganar aos outros e a si mesmo mostrando que o seu desejo é que você fique longe.
Minha primeira sugestão para você que convive com pessoas assim é que não se arrisque a confrontá-lo se não se sente preparado. Se tem uma coisa que é contagiosa é o tal do mau humor. Se você simplesmente “entrar de cabeça” ou “entrar de sola”, pode fazer um galo ou quebrar o pé, afinal, o cara está muito mais treinado nisso que você. Pior ainda é quando o mal-humorado é também um ser maléfico, que só pensa coisas negativas e muitas vezes age negativamente, seja para galgar degraus ou simplesmente para mostrar poder.
No entanto, mesmo que um pouco à distância, quando lhe for conveniente, jamais desista dele ou dela. Observe-o, descubra quais são seus gostos, tente conversar de igual para igual, sem arrogância, mas mostrando que merece o mesmo respeito que ele ou ela querem de você.

As dicas abaixo, baseadas em quatro princípios, foram extraídas do livro “Como lidar com pessoas difíceis”, da Editora Nova Cultural. Confira:

1 – PRINCÍPIO DO BEM - Niguém é destrutível porque quer.
Todos nós temos momentos de raiva, tristeza ou frustração. Isto é normal, e com o passar dos dias acaba. Mas quando continua, se aprofunda e toma conta do coração. Mas a maldade só toma conta da pessoa quando ela tem alguma carência, ou seja, a falta de alguma coisa em sua vida. Ela fica no lugar do que esta ausente causando a sensação de bem estar e de que não falta nada. A maldade é o tipo doentio de compensação de algo muito importante que a pessoa perdeu ou nunca conheceu.

2 – PRINCÍPIO DA ALEGRIA - Ninguém e triste porque quer.
Ninguém em juizo perfeito deseja ser mal humorado, ranziza, etc...
Nós não somos assim, mas em alguns momentos da vida, nós estamos assim, e como já dito, com o passar do tempo esses sentimentos desaparecem. Porém, as pessoas negativas, não conseguem ser felizes por si mesmas e buscam a felicidade no prazer de humilhar outras pessoas, ficando dependente dessas situações para ter um pouco de bem estar, esquecendo que a felicidade está dentro de cada um e não fora. A felicidade é contagiante, é mais fácil ser feliz perto das pessoas felizes. Quando estiver com alguém que só consegue ser feliz causando desgraça alheia lembre-se: ela não é assim porque quer, mas porque não consegue enxergar a vida como ela é.

3 – PRINCÍPIO DO AMOR - Ninguém odeia porque quer.
O ódio nasce cresce e se instala quando sofremos algum tipo de humilhação. O ódio é como uma planta, que quando se rega cresce. O ódio só fica anormal quando não vai embora. Quando impede que a gente perdoe quem nos humilhou.Então começa uma roda viva em que, cada ato movido pelo ódio gera mais ódio, quando somos incapazes de perdoar significa que: quem nos maltratou é superior a nós, tanto que os seus atos tem o poder de definir nossos sentimentos, na verdade essas pessoas cheias de ódio se sentem inferiores, imcapazes de amar, de perdoar. Mas você consegue, toque a sua vida para sua frente, isso faz toda a diferença.

4 – PRINCÍPIO DA AÇÃO POSITIVA - Ninguém age negativamente porque quer.
Primeiro, agir de maneira negativa é não agir de acordo com que somos, mas que estamos. Não somos vingativos, em alguns momentos estamos ou ficamos vingativos. Este sentimento de vingança é temporário, é uma reação necessária e involuntária devida à ação de quem nos provocou. A reação é uma ação negativa, é como uma resposta a provocação, isto significa que quem está decidindo a nossas ações, não somos nós, mas quem nos provocou. Se você reage, você faz o que a pessoa quer, mas se você agir (com consciência e não com a raiva). Você prova que é dono de si mesmo. Nossas ações devem vir de dentro de nós e não como reação ao que vem de fora de nós. Não reaja, aja.

“Minha querida Alma! Raivas, tristezas e preocupações que vivi acabaram”
“Minha querida Alma, faça de mim uma pessoa positiva e compreensiva”

Em tempo: leia também o tópico MAU HUMOR... OU DISTIMIA? , publicado no final do ano passado.

segunda-feira, 23 de março de 2009

SINTOMAS DA SINDROME DA PAZ INTERNA!

Atenção, este é um aviso importante, preste atenção aos sintomas que vou relacionar abaixo!
Muitas pessoas tem, inadvertidamente, sido expostas à Sindrome da Paz Interna, e é possível que isto tome tais proporções que se torne uma epidemia (Tomara!).
Uma epidemia de Paz Interna pode ser um sério risco, para o que tem sido, até agora uma estável condição de conflito, nas empresas e no mundo. Fique muito, mas muuuuuito atento!

Atenção aos sintomas:
Uma tendência a pensar e agir de forma espontânea ao invés ter reações baseadas em medo e em fatos do passado.
Uma tendência a realmente aproveitar e viver o momento presente
Uma falta de vontade e interesse em julgar os outros
Uma falta de vontade e interesse em julgar a si mesmo
Uma falta de vontade e interesse em interpretar as ações dos outros
Uma falta de capacidade para se envolver em conflitos
Uma perda da capacidade de se preocupar (Este é um sintoma muito sério)
Freqüentes ataques de gostosos sorrisos
Aumento da sensibilidade /suscetibilidade ao amor dos outros e uma vontade incontrolável de amar a todos

Cuidado: Se você vem experimentando um ou mais dos sintomas acima , por favor fique avisado, que você está contaminado por Paz Interna e que esta contaminação pode estar num estágio tão avançado, mas tão avançado, que não tem mais cura! (Graças a Deus).
Ainda, se você esteve exposto a alguém com um ou mais destes sintomas, permanecer exposto é por sua conta e risco. Se eu fosse você, me arriscava!

* Texto original de Saskia Davis, com algumas pequenas adaptações

"Minha querida Alma, seja fonte de Paz, Amor e Espontaneidade".

PESSOAS DIFÍCEIS: COMO LIDAR COM ELAS?

Todos os dias encontro alguém que sempre reclama: “Eu não aguento mais meu colega de trabalho (ou meu irmão, minha prima, meu chefe...). Oh, sujeito esquisito!”.
São pessoas que encontram, no seu cotidiano, o desafio de lidar com outras de temperamento diferente dos seus, às vezes para pior, às vezes para melhor.
Alguns reclamam dos caras mais reservados. Os predicados mais comuns a essas pessoas são “metido”, “chato”, “quietão”. Ninguém consegue entender porque determinadas pessoas preferem ficar sós.
Outros não suportam aqueles que só veêm mal nas coisas, nos atos e nas pessoas. De fato, viver sob suspeita não é nada fácil.
Outros dois tipos comuns são os que adoram seduzir (os gostosões) e também o tímido, que vive numa casca. Isso sem falar nos irritadiços, o “mal-humorados”.
Passo aqui algumas dicas de como lidar com quatro destes tipos, que encontramos todos os dias no trabalho, nas reuniões da igreja, do grupo de apoio ou mesmo na família.
Abra-se, conheça-os e tente uma abordagem diferente.
Confira:


O Eremita (o reservado)
Esta pessoa tem necessidade de ficar só. Parece que vive fora deste mundo. Muito reservado, faz a opção de não estabelecer contato com os outros, e isso gera, com certeza, um bocado de mal entendidos. É o tipo do “faça você mesmo”. Gosta de trabalhar só e é capaz de criar o seu próprio mundo pois o seu poder de imaginação é fantástico.
Caso você tenha uma ascendência sobre essa pessoa (chefe, pai, mãe, tio, lider), use a regra basica da PNL: visite o seu Mapa! Tente entrar no seu mundo, mas não invada. Respeite o seu silêncio e aprenda a ouvi-lo pois ele tem grande poder de observação e pode contribuir muito. Se você o valorizar ele irá se aproximando pouco a pouco. Assim, você pode interagir mais através de mensagens, antes de procurar um contato pessoal.
Se você for um colega de trabalho, primo, irmão, amigo, não reclame de sua ausência nas festas de aniversário tanto da empresa como dos seus círculos comuns. Ao contrário do que parece, ele(a) não está agindo como um “metido”, e isto não quer dizer que ele não gosta do aniversariante. Convide-o , mas se ele não aparecer, não se preocupe.
Porém, aqui vai uma dica: Não o despreze! No dia seguinte à festa, que tal levar um pedaço de bolo, um saquinho de doces para ele e dizer, com carinho: “Cara, a festa tava o bicho, e sentimos sua falta. Enquanto não chega a próxima, curta essas delícias!”.

O maldoso (desconfiado, sacana...”eu não disse?”)
É preciso tomar um certo cuidado, pois este ai vê maldade em tudo, principalmente se o ato praticado o envolver. Cada coisa ruim que acontece com ele ou perto dele é interpretado como um ato premeditado para prejudica-lo.
Porém, antes de ficar fulo da vida com o cara, lembre-se que ele(a) sofre, pois quem não confia em ninguém fica isolado. É possível até que ele não confie em você, que poderia até ajudá-lo (e isso pode até atrapalhar a tentativa).
Antes de mais nada, se você tem ascendência sobre ele(a) não o(a) persiga, pois deste jeito você dará a esta pessoa a confirmação de uma crença. Ela via dizer, com certeza: “Eu tinha razão! Não posso confiar em você”. Seja firme, mas não irritadiço, nada de emoções mal controladas. Acima de tudo, não tente jogar o mesmo jogo, muito menos dentro do campo dele, pois nesta área ele é Mestre.
No entanto, não fuja do conflito. Esclareça todo e qualquer mal-entendido, exprima-se de forma clara, seja direto e objetivo. Se for emitir uma crítica seja específico! Se não gostou de algo, diga claramente: “Não gostei quando você fez isso, ou aquilo”.
Falas do tipo: "Assim não dá” ou “É difícil trabalhar com você”, só pioram a situação. Evite também despertar desconfianças: uma boa maneira, por exemplo, é responder sem demora às suas mensagens, mas se não puder, faça-o na primeira chance.
Este tipo de ser dificil é um bom estrategista, pensa em todas as possibilidades (exatamente pelo medo de não se dar bem). Ouça-o quando for tomar decisões sobre como fazer para “chegar lá”.
Entre colegas às vezes a situação é menos tensa. Mas não custa nada evitar criticas mordazes ou sem sentido. Se tiver que reclamar de algo, reclame do que ela faz, mas diretamente a ela, e não aos outros.

O Sedutor (o gostosão)
É o tipo de pessoa que “se algo se mexe, tem que ser conquistado”. É a sua manobra para chamar atenção. Tem um tipo de personalidade que quer ser vista, observada e por conseguinte apreciada.
A sua postura deve ser firme, mas no sentido de mostrar que não leva seu jogo a sério. Se cruzar o olhar com ele(a) e de lá vir um olhar terno acompanhado de um sorriso encantador, corresponda, mas do seu jeito! Também não pense que ele quer te namorar. Essa postura, para o sedutor, é simplesmente um passatempo. Dê atenção a ele(a), mas não demasia, senão... Faça-o(a) ver que você conhece o jogo dele(a) e que não o(a) leva a sério, nem aos seus supostos ataques de jogo de sedução. Não faça o jogo dele! Mostre que está no seu posto, no seu centro, e seja você mesmo(a).
Entre colegas, às vezes, o sedutor demonstra um certo ciúme e mal suporta que você tenha outros amigos. Ora, não valorize suas lamentações, reclamações, choradeiras... reafirme sua amizade e continue a viver como sempre viveu.

O tímido (fechado, temeroso)
Esse parece uma noz com uma casca que não abre. Não gosta muito do contato com pessoas, evita se expor e foge das discussões em grupo. É o tipo que até falta a reuniões, para não ter que ser confrontado.
Assim como o reservado, parece , às vezes esnobe ou antipático, mas, se você tiver uma chance de conhecê-lo(a), verá que é uma pessoa muito sensível que tem, o tempo todo, medo de ser rejeitada. Sente-se inferior e sofre com a própria falta de confiança.
Estas pessoas chegam ao cúmulo de rejeitar uma promoção, ou tremem na base quando existe esta possibilidade, pois trata-se de ficar sob as luzes, em total exposição.
Aos que comandam esta pessoa no trabalho, ou a lidera no grupo, na familia... mostre que você leva em conta a sua opinião, e prove que as idéias que ele(a) apresenta não são tão bobas como ele(a) pensa. Faça-o(a) notar que não é porque vocês dois não pensam igual que ele deve se calar.
Por fim, ajude esta pessoa lhe dando trabalhos com dificuldades que aumentam aos poucos. Assim, superando os desafios, a confiança dele pode aumentar mais e mais. Se conseguir conquistar sua amizade, vai falar mais facilmente, pois não se sentirá tão inseguro com você.
Quando o relacionamento é entre parceiros de grupo ou colegas de trabalho, os contatos podem ser mais tranqüilas pois ele tem chance de conhecer os colegas melhor e não tem a “barreira” da hierarquia. Porém, se você deseja mesmo ajudá-lo a sair da casca, convide-o para almoçar cada dia com um ou dois colegas diferentes, ou a cada fim de semana com um grupo diferente, pois assim, de forma que progressiva e lenta, ele aumenta o seu círculo de confiança.

Em tempo: Em um próximo post, falo sobre os mal-humorados, ok?

Para ser dito sempre que for lidar com pessoas difíceis: “Minha querida alma, faça de mim um campeão de compreensão e de rapport”.

METÁFORA DO DIA: VOCÊ SABE DIZER "NÃO"?

Aprendendo a dizer "não"!

Quando Ângela tinha apenas dois ou três anos, seus pais a ensinaram a nunca dizer NÃO. Ela devia concordar com tudo o que eles falassem, pois, do contrário, era uma palmada e cama.
Assim, ela tornou-se uma criança dócil, obediente, que nunca se zangava. Repartia suas coisas com os outros, era responsável, não brigava, obedecia a todas as regras, e para ela os pais estavam sempre certos.
A maioria dos professores valorizava muito essas qualidades, porém os mais sensíveis se perguntavam como Angela se sentia por dentro.
Ângela cresceu cercada de amigos que gostavam dela por causa de sua meiguice e de sua extrema prestatividade: mesmo que tivesse algum problema, ela nunca se recusava a ajudar os outros.
Aos trinta e três anos, estava casada com um advogado e vivia com sua família numa casa confortável. Tinha dois lindos filhos e, quando alguém lhe perguntava como se sentia, ela sempre respondia: "Está tudo bem."
Mas, numa noite de inverno, perto do Natal, a mulher não conseguiu pegar no sono, a cabeça tomada por terríveis pensamentos. De repente, sem saber o motivo, ela se surpreendeu desejando com tal intensidade que sua vida acabasse, que chegou a pedir a Deus que a levasse.
Então ela ouviu, vinda do fundo do seu coração, uma voz serena que, baixinho, disse apenas uma palavra: NÃO.
Naquele momento, soube exatamente o que devia fazer. E eis o que ela passou a dizer àqueles a quem mais amava:


Não, não quero.
Não, não concordo.
Não, faça você.
Não, isso não serve pra mim.
Não, eu quero outra coisa.
Não, isso doeu muito.
Não, estou cansada.
Não, estou ocupada.
Não, prefiro outra coisa.

Sua família sofreu um impacto, seus amigos reagiram com surpresa. Ângela era outra pessoa, notava-se isso nos seus olhos, na sua postura, na forma serena mas afirmativa com que passou a expressar o seu desejo.
Levou tempo para que Angela incorporasse o direito de dizer NÃO à sua vida. Mas a mudança que se operou nela contagiou sua família e seus amigos. O marido, a princípio chocado, foi descobrindo na sua mulher uma pessoa interessante, original, e não uma mera extensão dele mesmo. Os filhos passaram a aprender com a mãe o direito do próprio desejo. E os amigos que de fato amavam Angela, embora muitas vezes desconcertados, se alegraram com a transformação.
À medida que Angela foi se tornando mais capaz de dizer NÃO, as mudanças se ampliaram. Agora ela tem muito mais consciência de si mesma, dos seus sentimentos, talentos, necessidades e objetivos. Trabalha, administra seu próprio dinheiro, e nas eleições escolhe seus candidatos.
Muitas vezes ela fala com seus filhos: "Cada pessoa é diferente das outras e é bom a gente descobrir como cada um é. O importante é dizer o que você quer e ouvir o desejo do outro, dizer a sua opinião e ouvir o que o outro acha. Só assim podemos aprender e crescer. Só assim podemos ser felizes."

Barbara K. Bassett
Extraída do livro: Histórias para aquecer o coração 2
Jack Canfield e Mark Victor Hansen - Editora Sextante

"Minha querida Alma! Seja fonte de auto-controle e de coragem para expressar o que sinto"

PARA CRIANÇAS: A OVELHA NEGRA

Uma grande amiga, que trabalha com super-dotados (quase ninguém acompanha sua forma de pensar, a rapidez de seu raciocínio, e preferem chamá-los de “doidinhos” em minha cidade) me ligou ontem e pediu ajuda. Ela precisava dar uma palestra sobre “diferenças” para crianças de uma escola pública, onde notadamente havia grande incidência de bulling.
Além de lhe dar dicas sobre como falar sobre o assunto, passei-lhe essa parábola, especial para crianças, que me foi contada pelo meu falecido Mestre, Pe. José Osvaldo.



Era uma vez uma ovelhinha diferente das suas irmãs de rebanho: era negra. Por isso, era desprezada e sofria todo tipo de maus tratos. As outras lhe davam mordidas, patadas; procuravam colocá-la em último lugar no rebanho. Quando estavam num prado pastando, o rebanho inteiro tentava não deixar que a ovelhinha negra provasse uma ervazinha sequer. Dessa forma, sua existência era horrível.

Farta de tanto desprezo, a ovelhinha negra afastou-se do rebanho. Durante muito tempo vagou sem rumo pelo bosque. Quando anoiteceu, exausta, a ovelhinha deitou-se, sem perceber, em um monte de farinha, onde dormiu.

Ao raiar o dia, acordou e viu, cheia de surpresa, que se havia transformado em uma ovelha muito branca, imaculada. Voltou então ao seu rebanho, onde foi muito bem recebida e proclamada rainha, pela sua bela aparência.

Naquela ocasião, estava sendo anunciada a visita do príncipe dos cordeiros, que vinha em busca de uma esposa.

O príncipe foi recebido no rebanho com grandes honras. Enquanto ele observava as ovelhas que formavam o rebanho, desabou uma violenta tempestade. A chuva dissolveu a farinha que cobria o pêlo negro de nossa ovelhinha, e ela recuperou sua cor natural.

Quando a viu, o príncipe resolveu que seria a escolhida. As outras ovelhas perguntaram por quê.

- É diferente das outras. E isso, para mim, é suficiente.

Assim, a ovelhinha negra tornou-se princesa e aprendeu que não é preciso abrir mão daquilo que se é para ser feliz!


"Minha querida alma, preconceitos que vivi e recebi quando me vi diante das diferenças entre mim e outras pessoas, acabaram"
"Minha querida Alma! Seja fonte de auto-aceitação, amor-próprio e compreensão das diferenças".

domingo, 22 de março de 2009

NOSSOS IDOSOS EM DEPRESSÃO: COMO AGIR?

Não há como não perceber, e nem há como negar que a população mundial esta envelhecendo. A longevidade, que antes parecia ser um fator presente apenas em países desenvolvidos, como os europeus, agora está, com os avanços da medicina, da nutrição e, enfim, da mentalidade dos governos, também nos continentes antes considerados sub-desenvolvidos. A América Latina (onde está o Brasil) é uma destas regiões.
Numerosas são as conseqüências desse fenômeno. Dentre elas, algumas dizem respeito à saúde mental da terceira idade, como a incidência da depressão de inicio tardio.
A depressão é, sem dúvida, o problema mental mais comum entre os idosos, e muitas vezes está ligada ao surgimento de outras doenças como câncer, Parkinson, Alzheimer, diabetes ou ao uso de medicamentos vários utilizados hoje em dia.
O que é preciso entender é que essa doença é freqüente em todas as fases da vida, mas que vem se acentuando entre os mais velhos. Estima-se que cerca de 15% de idosos apresentem alguns sintomas depressivos e cerca de 2% deles tenham depressão grave. Esses números são ainda maiores entre idosos internados em asilos ou hospitais.
Ao compararmos a depressão no idoso com a que acomete outras faixas etárias não é possível delimitar diferenças nítidas, no entanto sabe-se que o idoso passa por circunstâncias específicas em razão do avanço da idade e das conseqüências que ele acarreta. Além do mais, é preciso ficar atento ao diagnóstico, pois o paciente senil pode apresentar uma depressão crônica (quando a depressão surge anteriormente e persiste durante os decorrer dos anos, inclusive na velhice).
Algumas das causas podem estar na nossa própria cultura. Há uma visão negativa do envelhecimento que pode interferir na adaptação social, bem estar e postura da sociedade em relação aos idosos. Em razão desse envelhecimento, sentimentos como proximidade da morte, início da última etapa da vida, sensações de perda de estatus ocupacional e econômico, desencadeiam uma condição depressiva que pode ser acentuada se existirem sensações de insuficiência, inutilidade, ansiedade e irritabilidade.

O que fazer?
Em meus trabalhos com o grupo Feliz idade, aprendi muita coisa legal sobre como lidar com este problema, graças a profissionais que me ajudaram e aos próprios componentes do grupo, que sempre me dão grandes lições. As pessoas que cercam o idoso precisam entender (e passar ao seu ente querido esta informação) que envelhecer é um fenômeno natural. Com o passar dos anos ocorre diminuição das funções celulares e metabólicas, que naturalmente vão produzindo algumas perdas (memória, força física, elasticidade, etc...). Aceitar a humanidade deste fato já é um bom caminho!
Acabar com alguns mitos também podem ajudar. Confira alguns deles:

.:: Depressão é apenas uma tristeza passageira.
Cuidado com esse pensamento. A depressão se apresenta de maneira profunda e duradoura, e na ampla maioria das vezes é preciso várias formas de abordagens para manter a pessoa em equilibrio.

.:: É normal o idoso se sentir depressivo.
O simples fato da pessoa ter alcançado a terceira idade não é motivo para ficar deprimido. A doença é causada por um conjunto de fatores que vão desde as próprias crenças do sujeito como fatores hormonais, neurológicos...

.:: O idoso deve permanecer descansando em casa.
Nada disso! O contato social através de atividades interativas mantém o idoso pleno de vida, e sempre com novas descobertas.

.:: Envelhecer significa adoecer.
Nem pensar! Acreditar que a velhice é a fase da vida coordenada por medicamentos é o mesmo que condenar o idoso à paralisia. Exercícios físicos, atividades mentais e muito carinho da família, sim, é o ideal para o vovô e para a vovó, por mais complicados que eles sejam.

.:: Internar ou isolar o idoso é a solução.
Quem disse? Isolar o idoso em instituições próprias não ajuda a solucionar o problema da depressão. Apenas te livra do trabalho, não é mesmo? É claro que se faz necessário um acompanhamento (um psicólogo, psicoterapeuta, terapeuta ocupacional, psiquiatra...), mas “se livrar do(a) velhinho(a)” só vai piorar a situação dele(a).

.:: O idoso não deve praticar atividades físicas.
A prática de atividades físicas é recomendada, sim! Compare os idosos que pelo menos fazem caminhadas diárias com os que ficam em casa assistindo televisão. A diferença é notável.

.:: O idoso não se interessa por questões sociais.
O aumento do número de eleitores da terceira idade prova o contrário. Se o idoso não se importasse, não iria querer participar da escolha de seus líderes. Converse com ele(a) sobre estes assuntos, saiba o que ele pensa, ouça seus conselhos. Uma boa discussão ajuda a manter o idoso em alerta, sabia?

“Minha queria Alma! Seja fonte de compreensão e amor! Minha querida Alma, seja fonte de uma velhice saudável para mim e para os meus!”.

METÁFORA DO DIA: O CAMINHO

Após um inicio de ano com bastante aprendizado, novidades e descobertas (Sempre estamos em evolução, nunca estamos prontos!), veio à minha mente uma historia que criei para expressar como me sentia após uma conversa que tive com minha mestra-psicóloga. Foi uma conversa difícil, na qual apresentei muitas resistências, mas, ao fim...quanta descoberta!
Confira:


"Um jovem aprendiz resolveu, após muita insistência de seus pais, procurar um sábio que só atendia a um discípulo por vez. O Mestre morava ao pé de uma montanha ricamente arborizada, uma bela floresta que lhe dava proteção e também o sustento.
O jovem não estava muito contente com a idéia, pois achava que o pouco que havia aprendido em seu grupo de estudos, com seus professores e com a familia lhe serviriam para muitas coisas na vida. Mesmo assim, resolveu ir, pois no fundo sentia que faltava algo...
Foi recebido com muito carinho pelo sábio, que o convidou a entrar na casa simples, mas aconchegante. O jovem não entendia porque, mas sentia um certo medo. "O que será que esse mestre irá me ensinar?", pensava.
Para sua surpresa, durante três dias, o velho apenas lhe fazia perguntas. Perguntas que ele não sabia responder. Começou a ficar exasperado: "Vim aqui para ele me ensinar e esse suposto sábio quer que eu o ensine?", questionava-se.
No quarto dia, o Mestre lhe ofereceu um desafio: Teria que atravessar a floresta que os circundava, e ao chegar novamente na casa da montanha já teria todas as respostas que procurava. O jovem estranhou, mas, mesmo com medo, topou o desafio.
O mestre mandou que ele descansasse enquanto preparava sua viagem.
À noite, o rapaz ouviu um barulho no quarto, e notou que o sábio mexia em suas coisas.
Ficou revoltado, e acusou o velho de querer lhe roubar ou mesmo invadir sua privacidade. O velho pediu que ele conferisse que assim o era, mas ele fechou a bolsa abruptamente. Não queria que ninguém mexesse em algo tão pessoal. O mestre, impassível, apenas lhe disse: "Acredite no que quiser, mas abra-se e descobrirá novos caminhos. Quando estiver pronto, olhe no interior desse espaço que é tão seu".
No dia seguinte, ainda furioso, o jovem pegou sua bolsa e foi para a Mata. Queria acabar logo com esse período de estadia com o que ele considerava um "invasor" e ir embora.
Já embrenhado na floresta, notou que repetia vários caminhos, passava pelos mesmos lugares... ESTAVA ANDANDO EM CÍRCULOS! "Estou perdido", pensou.
A noite se aproximava, e o medo também. "O que vou fazer? Não sei para onde ir", chorava.
Começou a ouvir grunhidos, rugidos e outros sons que o assustavam ainda mais. Os sons da floresta agora estavam mais nítidos e lhe metiam ainda mais pavor.
Resolveu correr, mas acabou tropeçando e a bolsa voou longe. Ao bater no chão, ela se abriu.
Ele pensou em deixá-la por lá, mas ficou curioso em saber se o velho havia mesmo lhe roubado alguma coisa, então se aproximou para pegá-la. Foi então que notou que seu Mestre, o sábio da montanha que ele tanto detestara a princípio, não havia tirado nada, mas, sim, colocado em sua bagagem instrumentos essenciais para a viagem: UMA BÚSSOLA... E UM MAPA!
E neste momento, o medo foi embora, e ele pôde seguir seu caminho!"

'MINHA QUERIDA ALMA! SEJA FONTE DE AUTO-CONHECIMENTO E DE HUMILDADE PARA APRENDER, CADA VEZ MAIS!"

DE VOLTA!

Complicações acontecem para toda e qualquer pessoa, e isso não é diferente para quem trabalha com auto-conhecimento, PNL, enfim, com GENTE!
Estive afastado deste blog por uns tempos, por conta de um bom período de "reformulação" e novos aprendizados.
Cá estou, de volta, e espero continuar a passar minhas idéias com a clareza de sempre!
"Minha querida Alma! Seja fonte, hoje e sempre, de clareza e objetividade".

Translate

POSTS MAIS RECENTES NO SEU EMAIL - CADASTRE-SE!