sexta-feira, 30 de abril de 2010

TODO MUNDO EM TRANSE

Depois de ler a pergunta que se segue, simplesmente pare e reflita por alguns minutos: Por quanto tempo em um dia você se sente totalmente acordado? Só pense um pouco... e depois retorne ao texto...

A maioria de nós não pára pra pensar no quanto perdemos tempo vivendo como verdadeiros zumbis. Estamos de pé, estamos conversando, fazemos coisas...mas estamos dormindo, ou, simplesmente, em transe! Aí chega o final do dia, ou passam-se alguns minutos (ou horas), e um estalo nos faz perceber: "Nossa, já é tarde, hein"?
Lembra da última vez em que foi a uma praia, ou a um passeio de fim de semana no campo...e passou todo o tempo divagando sobre o que teria que fazer na segunda-feira? Ou quantas vezes se sentou diante do computador para escrever uma carta, um artigo... e não apenas deixou de fazer isso como perdeu horas fazendo coisas que não trouxeram nenhum benefício adicional, ou tentando encontrar algo que "não conseguia lembrar o que era..."? (Cá entre nós, eu fazia muito isso..rsrsrs).
E tem mais: Quantas vezes saimos para a rua, para uma festa, para uma reunião...dispostos a agir de determinada maneira ou falar determinadas palavras, mas quando voltamos para casa percebemos que simplesmente perdemos tempo e não conseguimos fazer nada do que queríamos. E não adianta dizer que a culpa foi deste ou daquele fulano, ou desta ou daquela atitude de alguém...
E quando sequer conseguimos ouvir, fazer ou sentir o que está de fato acontecendo à nossa volta, porque não conseguimos deixar de pensar "naquela conversa de ontem", ou "no que deveria ter respondido para aquele(a) safado(a) que me ofendeu", ou "naquele mico desgraçado que paguei"?
Estes são os chamados "transes (na PNL, downtimes) improdutivos". Não sabemos porque, com que âncoras ou por que motivos, saimos de nosso estado de objetividade e produtividade, passando a agir automaticamente, como se uma força estranha nos conduzisse a devaneios e mais devaneios, a viver no passado ou no futuro, sem agir como se deve no presente.
Fugimos da busca de respostas cujas perguntas deveriam ser feitas AGORA, NESTE MOMENTO, numa caminhada que vai, às vezes para dentro de nós, e ás vezes para fora, mas nunca no sentido que realmente gostaríamos de seguir.
Se você conseguiu refletir por alguns instantes, percebeu que em sua vida há muitos momentos como esse. Então, que tal acordar e aprender a usar seus transes de maneira mais produtiva?
Talvez seja hora de deixar de lado o ostracismo, a estagnação, e não só estabelecer como também dar o primeiro passo rumo às suas metas, aos seus objetivos. Está na hora de "estalar os dedos" e passar a agir com sugestões positivas, com idéias que realmente valham a pena. Chegou o momento de deixar de lado as "vozes" que nos apressam a fazer algo que nem queremos fazer, e também as que nos impedem de partir rumo a um objetivo por conta dos medos que elas nos trazem.
Pra começar, trate de viver mais o seu dia. Saia da rotina diária, mesmo que em pequenas coisas. Faça algo que o force a pensar objetivamente, que o leve a se manter concentrado no que quer fazer, a curtir com alegria cada momento, mas sem automatismos. Um exemplo muito comum é trocar o caminho que você costuma seguir para o trabalho ou de volta para sua casa, mas por algum que você nunca tenha feito. Outra é falar em voz alta o que vê, ouve ou sente. Ex: "Neste momento estou passando pela rua tal, e vejo uma casa amarela, com detalhes na grade de entrada que parecem gatinhos... Agora estou sentindo um desconforto no pescoço... Hum... que gostoso está este bolo... (Por favor, faça isso de maneira sutil. Ninguém precisa levar fama de maluco porque fala sozinho pelas ruas...rsrsrs).
Fica muito enfiado no escritório ou diante do computador, e termina o dia cansado e, mesmo assim, com a consciência de que não fez nada de útil? Então saia do lugar comum: Movimente-se! Inicie agora mesmo um esporte, entre na academia, vá dar uma caminhada. É muito frio e sente que as coisas andam meio paradas...? Então, faça algo diferente: Diga para todo mundo que você ama alguém, ou grite isso para esse alguém (de preferência sua mãe ou seu pai, ou sua (seu) namorada (o), porque este(a), de certa forma, já te conhece. Gritar isso pra algum desconhecido ou que está apenas interessado(a) pode assustar...rsrsrs).
Trate de colocar muita energia em cada uma destas coisas. Saia do sua zona de conforto, faça coisas que você achou que nunca tivesse coragem, Faça as coisas que você acha divertidas e todo mundo te dizia que eram ruins (Claro que você não vai sair atirando ou batendo naquele sujeito ou sujeita que você odeia... isso dá cadeia!).
Então, que tal começar respondendo a uma pergunta básica: O QUE VOCÊ VIVEU ONTEM?
Eu até posso dizer o que eu vivi: Acordei às 9h30 (fui dormir às 4h00, mas não preciso de mais de cinco horas de sono), e depois do banho, do café e das orações matinais fui tirar algumas fotos na zona rural, muito bonitas por sinal. Almocei às 12h30, tirei uma soneca gostoooosa de meia hora e liguei o computador para descarregar as imagens. Então resolvi olhar os e-mais, cliquei num link que levava à noticia de uma jovem que matou os pais por causa do dízimo da seita dela... e quando percebi tinha passado uma hora e nada de fotos!
Então resolvi escrever este texto, mas só pude postar hoje porque fui chamado para acompanhar um protesto de professoras, depois a reunião delas com o prefeito, depois preparar um áudio para a rádio local... e finalmente passar as fotos que tirei para o computador (olha uma delas aí em cima!).
Bem... no final das contas, só perdi cerca de uma hora. Já perdi muito mais antes de entender esta realidade...rsrsrs

"Minha querida alma, seja fonte de total despertar, seja fonte de VIDA!"

Um comentário:

  1. nossa, li esse texto hj,30/05/2010as21:43 e confesso que estou facinada com tantas coisas que estou aprendendo com os seus textos e cursos.parabéns amigo......

    ResponderExcluir

Translate

POSTS MAIS RECENTES NO SEU EMAIL - CADASTRE-SE!