quinta-feira, 9 de julho de 2009

COMO SÃO SUAS FÉRIAS?

VEJA TAMBÉM ANÁLISE DO LIVRO "INTELIGÊNCIA MULTIFOCAL" NO SHVOONG
Já estão chegando as férias, geralmente um período esperado por muitos, que só faltam mesmo até fazer promessa para que os dias passem rápido e finalmente chegue o momento tão esperado de "descanso". As pessoas juntam dinheiro pra gastar numa viagem, faz planos para aproveitar bem os dias... e quando finalmente eles chegam, acontece algo totalmente inexplicável: Não se aproveita nada!
Será que isso já aconteceu com você? Parece loucura (e se analisarmos bem, realmente é), mas isso se dá com frequência.
Quantas vezes o empresário está na praia, com um mar que só falta falar "vem que eu tô no ponto", com gente bonita do lado, com um sol maravilhoso... e está ao celular cuidando de problemas que, muitas vezes, só ele acha que existe em sua empresa. Liga para saber como estão as coisas, se não precisam de algo, pra perguntar se estão seguindo suas ordens de serviço...
E o professor ou professora que passa meses aguentando o "zezinho mal-educado", ou as dificuldades de uma escola mal equipada, ou mesmo pais que jogam responsabilidades que seriam suas nas costas do mestres, e quando finalmente tem um tempo para respirar, simplesmente passa estes dias alimentando a depressão, pensando no dia da volta às aulas? Isso quando não tentam transformar os familiares em alunos, com férias carregadas de "regras", passeios com um rígidio itinerário e até mesmo programas que não se revelam uma boa pedida.
Sem falar nos planejamentos mal-sucedidos: Aquela viagem de férias que virou um mico, o passeio na floresta que se transformou em trabalho para os bombeiros, a excursão que virou um pesadelo porque não era bem aquilo que se esperava...
E então se passam os dias, há um esforço sobre-humano para tentar "salvar" as férias, e quando elas terminam, você está mais cansado (a) do que estava antes do "descanso".
Quantas expectativas formadas, quantas decepções, quantas frustrações vividas!
Por outro lado (felizmente) há também pessoas que curtem o que vier! O empresário desliga o celular, deixa recados apenas para emergências daquelas realmente inadiáveis (morte na familia, acidente grave na empresa, ou algo do gênero), e trata de pescar em alto mar, surfar, nadar, se deliciar com os pratos típicos das cidades marítimas.
A professora vira criança. Se diverte em parques, passeia pelas matas ou simplesmente vai para um lugar tranquilo, para comer bolo de fubá e curtir a natureza, brincar com os filhos, sobrinhos, "festar" com os amigos.
O passeio que virou mico passa a ser diversão. Ficar perdido na floresta se torna uma aventura, e a excursão jamais vira pesadelo, mas, sim, apenas mais uma grande novidade que deve ser aproveitada ao máximo.

Férias são para.... o que mesmo?
Costumo dizer que férias não são para "sair" do espaço em que você vive, mas para "voltar" ao espaço que lhe faz bem! Este espaço pode ser a sua própria casa, na sua cidade. Pode ser a casa de sua familia, lá no interior de São Paulo ou no Nordeste do Brasil. Pode ser aquele belo lugar que você conheceu um dia e quer visitar de novo ou... uma gostosa sensação que você sentiu e quer sentir de novo. Neste ponto, dá pra entender porque alguns professores conseguem descansar dando aulas gratuitas numa comunidade carente, porque alguns empresários escolhem dar palestras de verão para universitários, porque alguns jornalistas escolhem fotografar ambientes diferentes em cidades diferentes, ou porque vários profissionais (pedreiros, carpinteiros, pintores ou qualquer outro) escolham integrar uma ação de ajuda humanitária... Estas pessoas sentem o mesmo que os que preferiram se valer de atos totalmente diferentes dos que estão acostumados a fazer, como o médico que resolveu escalar uma montanha, o comerciante que foi pescar no Rio Paraguay, o grupo de psicólogos que montou um time de futebol e partiu em excursão pelo interior em jogos de várzea.
A partir daí, não importa o que eu decida fazer, não tenho compromisso com mais nada (nem mesmo com o sucesso de uma excursão, de um passeio... até o bolo de fubá pode queimar!)
Não há expectativas! Não tenho que fazer isto ou aquilo. É tudo apenas prazer (não é pra isso que inventaram as férias?)!. Não tenho, em outras palavras, "compromisso com o êxito", mas comigo mesmo!

"Estou de férias"
Um grupo de profissionais liberais (advogados, médicos, comerciantes) embarcou no Terminal do Tietê, num ônibus de Turismo, para seguir numa longa viagem ao litoral nordestino. A idéia era fazer várias paradas pelo caminho, conhecer e fotografar pontos interessantes entre São Paulo, Minas Gerais e Bahia, onde finalmente ocorreria a última parada.
Menos de três horas de viagem (que duraria no mínimo dois dias com as paradas), surgiu o primeiro imprevisto. O trânsito estava interrompido por causa de uma enorme carreta com turbinas de hidrelétricas. Uma advogada começou a lamentar que não chegariam no primeiro ponto de parada a tempo de tirar belas fotos. Xingou o motorista da carreta, os que o escoltavam, reclamou com os colegas. O seu colega de trabalho, no entanto, foi até a frente do ônibus e tratou de tirar boas fotos da turbina, assim que conseguiram passar por ela. Comemorava cada flash, e mostrava aos outros viajantes na sua digital.
Na primeira parada, já era noite, e resolveram descansar um pouco, para depois seguirem viagem. Quase 17 horas depois, com horários fora do que estava combinado (o que gerava ainda mais reclamações da advogada), e com todos já desejando que a Bahia chegasse logo, outro sufoco: o pneu dianteiro do ônibus estourou.
Coitado do motorista! Aguentou poucas e boas da advogada, que criticou a empresa, o modelo do ônibus, a falta de profissionalismo, ele próprio, e etc, etc, etc... O colega, todo sorrisos, mesmo com a roupa amassada, os cabelos totalmente bagunçados e de chinela de dedo, desceu do ônibus para ajudar na troca do pneu. Não havia estepe! Ele e o motorista foram, a pé, para a cidade mais próxima, para buscar ajuda. A máquina digital, claro, foi com ele. Só quatro horas depois é que conseguiram sair daquele lugar e seguir viagem.
Dentro do ônibus, a advogada se aproximou e se queixou, mais uma vez. "Estamos muito atrasados, não vamos aproveitar quase nada! E você, quando chegarmos de volta a São Paulo, vai me ajudar a processar esta empresa!". O colega, que tentava cochilar, tirou o boné do rosto e disse, num tom de quem está com aqueeeela preguiça, mas ainda sorridente: "Nem pensar!", simplesmente.
A mulher não se conformou. Disse que todos os seus planos foram por água abaixo. Que não conseguiu tirar nenhuma foto das que queria, que sabia que quando chegasse à Bahia ia estar tão contrariada que não conseguiria se divertir. Alguém tinha que pagar por isso, afinal, ela TINHA QUE APROVEITAR SUAS FÉRIAS!
Ele, no entanto, disse que havia tirado mais fotos do que esperava, que iria criar uma exposição no escritório com o nome de "aventuras de férias", que seus planos incluiam apenas entrar no ônibus e o resto seria lucro, que quando chegasse na Bahia iria aproveitar cada minuto e ninguém tinha que pagar nada por isso, afinal, ele JÁ ESTAVA DE FÉRIAS!
Entendeu? Então faça o mesmo nas suas, ok?
Em tempo: Na volta, o advogado cumpriu o que prometera: Fez quadros das fotos que considerou mais bonitas e expôs no mesmo escritório que trabalhava com a "reclamona". E ele ainda ganhou um concurso de fotografia, com a que ele havia tirado do motorista trocando o pneu e a advogada com o dedo em riste, incomodando seus ouvidos com seus gritos.

Minha querida alma, seja fonte, hoje e a todo momento, de equilíbrio e consciência interior. Seja fonte de prazer, alegria e liberdade!

3 comentários:

  1. CARLÃO , GOSTEI MUITO DISSO:

    "Costumo dizer que férias não são para "sair" do espaço em que você vive, mas para "voltar" ao espaço que lhe faz bem! "

    Vc diz coisas tão essenciais. Gosto mais de vc agora do que a um minuto atrás

    Angela.

    ResponderExcluir
  2. Este post me fez pensar melhor como "tiro" minhas férias. No meu ramo, a tendência é sempre levar o trabalho pra casa e, muitas vezes, para as férias. Acho que agora consigo entender porque volto mais cansado que quando saí...kkkkkk!
    Valeu, Mago!

    ResponderExcluir
  3. Estava deprimida, à procura de algo que tirasse uma espécie de tristeza que sinto quando entro em férias,quando encontrei este blog. Parece que não consigo fazer algo que me agrade... Talvez vc possa me ajudar... alguém sabe como acabar com isso?

    ResponderExcluir

Translate

POSTS MAIS RECENTES NO SEU EMAIL - CADASTRE-SE!